Já que o papo hoje é plano de saúde, vamos começar do começo. No Brasil, existem três formas de contratação de planos de saúde reguladas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Vamos a elas:

  • Plano individual ou familiar 
  • Plano coletivo empresarial
  • Plano coletivo por adesão (como uma associação profissional ou um sindicato) 

Oferecer um plano de saúde para funcionários não é uma obrigação legal das empresas, mas virou um benefício comum para quem quer atrair mais talentos e ser mais competitivo no mercado. Essa também é a categoria mais frequente: dados de 2022 apontam que 49 milhões de pessoas (25% da população brasileira) têm planos de saúde contratados no país, com 33,8 milhões em planos coletivos empresariais.

Neste artigo, a gente te explica um pouco mais sobre o funcionamento do plano de saúde empresarial {e que a Alice também oferece!}.

Plano de saúde para empresas: quais são as regras para ter?

Para que uma pessoa seja vinculada ao plano oferecido pela empresa, a ANS tem uma exigência básica: é preciso que os participantes tenham vínculo empregatício comprovado com aquela empresa, como uma carteira assinada, um contrato de trabalho, ou um vínculo estatutário, quando estamos falando de diretores, por exemplo.

Dentro dessa categoria de plano de saúde empresarial, a gente ainda vai encontrar variações de custeio, como:

  • Empresa que paga 100% dos custos 
  • Empresa que paga uma parte da mensalidade do plano e o empregado paga a outra
  • Empresa que desconta os custos direto da folha de pagamento
  • Empresa que tem (ou não) plano com coparticipação

E tem também variações de cobertura (nacional, local, por grupos de estado), de atendimento (ambulatorial, hospital, com/sem obstetrícia, odontológica) e de prazo de carência. 

Tudo vai depender da conversa entre a empresa que contrata e a operadora do plano de saúde, que vão negociar os preços e as características do plano que será oferecido. 

Quem pode ter acesso ao plano de saúde empresarial?

Essa é fácil: funcionários registrados, sócios, administradores, trabalhadores temporários, jovens aprendizes e quem estagia na empresa que contratou aquele plano. 

Além disso, um usuário desse tipo de plano também pode checar com o RH da empresa como funciona a inclusão dos seus dependentes no plano. Os acordos podem incluir desde cônjuge/companheiro(a), parentes de sangue até o 3º grau (dos bisnetos aos bisavós) e parentes por afinidade até o 2º grau (como os sogros).

O pagamento por essas inclusões também pode variar bastante, desde algo que a empresa cobre parcial ou totalmente até uma permissão de ingresso naquele plano {nesse caso, quem paga é o próprio dependente ou a pessoa responsável}. 

Quem define o preço do plano de saúde empresarial?

Quando a gente contrata uma operadora de saúde enquanto pessoa física, o preço é determinado de acordo com nossa faixa etária e já vem fechado, sem espaço para acordos ou negociações. Basicamente, é pegar ou largar. 

Além disso, o reajuste anual de plano individual tem um teto máximo definido pela ANS, que ainda precisa aprovar oficialmente o aumento proposto por cada operadora de saúde antes que ele comece a valer e aparecer nos nossos boletos. 

Já no caso dos planos de saúde para pessoa jurídica, a coisa é diferente: a negociação de preços e reajustes também acontece uma vez por ano, mas é livre e fica a cargo das conversas entre a operadora de saúde e a própria empresa que a contratou. 

Depois que essa cifra for decidida, ela também precisa ser comunicada à ANS, mais como uma formalidade mesmo.

Plano de saúde para pequenas empresas: existe ou é mito?

Existe, sim! Mesmo microempresas podem ter um plano de saúde empresarial, desde que estejam exercendo a atividade há mais de seis meses, estejam em dia com a Receita Federal e também regularmente inscritos na Junta Comercial ou um órgão equivalente. É possível incluir tanto as pessoas com vínculo empregatício quanto dependentes do seu grupo familiar.

Aqui na Alice, a gente oferece duas opções de plano de saúde empresarial na região metropolitana de São Paulo: 

  • Para empresas com menos de 30 vidas {é o jargão da área de saúde, gente} 
  • Para empresas com mais de 30 vidas

E é isso porque o resto a gente conversa e se entende. Sem complicação desnecessária quando não precisa, né?

Existe carência em plano empresarial?

Depende. Se o número de colaboradores participando do plano for igual ou maior que 30, todo mundo que aderir ao planoem até 30 dias a partir da assinatura do contrato não vai ter carência (mesmo quando alguém tiver uma condição pré-existente). 

Agora, quem for  incluído no plano 30 dias após a data de início de contrato com a operadora do plano de saúde pode precisar cumprir um período de carência, assim como as pessoas em planos empresariais com menos de 30 participantes.

Eu tinha um plano empresarial e não vou ter mais. E agora?

A ANS também tem regras para esses casos. Uma opção é mudar para um plano individual ou familiar daquela mesma operadora, sem precisar cumprir a carência de novo porque você já passou por isso. Mas atenção: você tem um prazo máximo de 30 dias para fazer isso, ok?

Também é possível pedir uma carta de portabilidade da sua gestora atual e trocar por outra. Se você estiver nesse plano há pelo menos dois anos (três, se tiver uma condição pré-existente) e trocar por outro na mesma faixa de preço, não precisa cumprir carência de novo, e a operadora precisa aceitar o seu pedido de ingresso caso você cumpra os demais requisitos. 

PF ou PJ, a Alice tem um recado para você

Para terminar, vale destacar um grande diferencial que a Alice tem, tanto para pessoas jurídicas quanto para pessoas físicas: nosso Time de Saúde. Ele é composto por enfermeiros(as), médicos(as), nutricionistas e preparadores físicos que conhecem a fundo o histórico individual de cada membro.

Na Alice, a nossa meta é sempre tornar as pessoas mais saudáveis, com foco na prevenção e em um cuidado coordenado e certeiro para que a pessoa não fique indo de especialista em especialista, repetindo seu histórico médico a cada nova consulta e olhando para a saúde só nas crises. Aqui, é nosso Time de Saúde que é especializado na pessoa e em todo seu potencial.

Por isso, queremos que as pessoas membras usem os serviços da Alice o tempo todo e não só em momentos de urgência ou emergência, como quando uma dor grita. Afinal, saúde e qualidade de vida a gente constrói no dia a dia, certo?

Diferenciais da Alice para plano de saúde empresarial

No caso de empresas, a meta da Alice segue sendo a mesma, só que agora tornando seus funcionários mais saudáveis. Essa é uma parceria de longo prazo, então a gente não vai aparecer só via boleto – muito pelo contrário! 

Nosso time fica em contato com o RH e vamos acompanhando e incentivando, em conjunto, o uso dos nossos serviços. 

Em outras palavras, não importa se tem um CNPJ ou um CPF no contrato: a gente quer que você use muito a Alice. 

Sempre que quiser – e não só quando precisar. Assim as pessoas vão se mantendo mais saudáveis, e é isso que a gente quer de verdade.


Quer saber mais sobre ter Alice para a sua empresa? Clica aqui e marca uma conversa com a gente!