Saúde mental é um tema sobre o qual se fala cada vez mais – e não é à toa. As estatísticas de pessoas que sofrem de adoecimento e transtornos psíquicos {infelizmente} só aumentam. No trabalho, onde a gente fica exposto a situações de cobrança e estresse, esse cuidado tem que ser especialmente abraçado pela empresa.

Neste artigo, a gente vai te mostrar caminhos para incentivar cuidados com a saúde mental no trabalho, as implicações de negligenciar a atenção aos problemas dos(as) colaboradores e o cuidado para evitar um ambiente que seja estressante e possa causar o temido burnout.

Ah, e claro: vamos dar algumas dicas práticas de como agir e demonstrar mais cuidado com esse tema delicado e, assim, ajudar a equipe a se sentir mais acolhida. Afinal, cada pessoa é diferente da outra, mas todo mundo melhora quando tem apoio!

A importância da saúde mental no trabalho é cada vez mais evidente

A importância da saúde mental no trabalho nem sempre teve muita atenção dos gestores(as) até os anos 2000. Na prática, o tema era considerado um tabu, uma “frescura” ou algo desimportante em comparação com, por exemplo, doenças físicas ou acidentes de trabalho. 

Ainda há quem ignore o assunto, mas o problema está bem perto da gente: mais da metade dos(as) brasileiros(as) relataram alguma deterioração em sua saúde mental em 2020, no contexto da pandemia de Covid-19. Isso se soma a pesquisas que indicam que mais de 80% das pessoas no nosso país já passaram por algum transtorno psíquico em algum momento.

Por mais impressionante que pareça, uma pesquisa feita pelo instituto de saúde mental Mind mostrou que 90% das pessoas que se ausentaram do trabalho devido ao estresse deixaram de citar essa questão como motivo para sua ausência, optando por dar desculpas para não admitir o problema. 

Se hoje mais empresas reconhecem a importância da saúde mental no trabalho, isso tem um motivo: falar do tema implica em reconhecer que o ambiente corporativo tem muitos impactos psicológicos nas pessoas que fazem parte dele. 

Para dar uma dimensão dessa importância: em um estudo recente, 91% dos trabalhadores ouvidos afirmaram que as empresas têm o dever de investir em saúde mental. E foi disso que a gente falou recentemente com a Jess Huang, do time de Psicologia da Alice. Ela alertou que todo acolhimento é fundamental {principalmente da parte de quem gerencia!}.

“É papel de cada gestor destacar a importância que cada pessoa tem para a equipe e ser sensível a sinais de estresse de colaboradores antes mesmo que a pessoa dê sinais de adoecimento”, afirma. Ela lembra que não dá para trabalhar com excelência se a cabeça não estiver em dia. “Se a gente não está bem, não consegue fazer nada a mais.”

Colaboradores(as) que passam por problemas de saúde mental sentem mais insegurança e dificuldade em manter motivação e produtividade – e isso é pior para todo mundo. Outros problemas são as ausências por questões de saúde e a rotatividade na equipe.

Excesso de trabalho e saúde mental: as implicações são sérias 

Se você é gestor(a) ou RH e já ouviu falar do temido burnout –aquela palavrinha que reflete o completo esgotamento mental que o estresse pode gerar–, é bom ficar de antena ligada: sua equipe está trabalhando mais do que deveria? Os(as) colaboradores(as) estão se forçando a fazer muito mais sem que você sinta que está demandando a mais?

Não é um mistério que o excesso de trabalho é capaz de gerar altos níveis de estresse. Ele prejudica cada pessoa de formas diferentes: seja agravando quadros de ansiedade e outros transtornos psíquicos, aumentando significativamente o risco de burnout e até expondo a pessoa a um maior risco de desenvolver quadros de depressão.

Trabalhar excessivamente também expõe ao risco de doenças como hipertensão, diabetes, problemas ergonômicos e lesão por esforço repetitivo {entre tantos outros problemas…}. 

Não adianta achar que o problema é individual. Toda a equipe sente quando alguém dá sinais de estar sendo afetado(a) por excesso de trabalho, principalmente em um contexto no qual o sistema preza muito pela produtividade e pouco pelo descanso ou “desligamento”. Essa inversão de valores traz muitas armadilhas no cotidiano.

“A gente vive uma realidade de excesso de valorização da produtividade, de ‘status’ em ser ocupado e de estigmatização do descanso”, afirma Jess Huang, que vê nos momentos de “preguiça” um grande valor para contrastar com a nossa correria cotidiana. 

Então, cuidado para não estimular esse ambiente de “alerta ligado” e de muitas horas de trabalho: o estado de estresse constante faz o corpo interpretar que está diante de ameaças. Isso prejudica gravemente a saúde mental e também traz sérias implicações para a saúde física. Trabalhar mais e mais não é trabalhar melhor!

Formas de se prevenir contra o estresse e preservar a saúde mental

Embora a responsabilidade pela manutenção da saúde mental no trabalho da equipe seja de gestores(as), algumas ações individuais também podem ajudar a manter um maior equilíbrio e a prevenir questões de saúde mental que vêm do ambiente corporativo. Afinal, a gente sabe que não dá para controlar o que está ao redor, mas se proteger sempre ajuda!

A Jess Huang nos ajudou a formular ideias que podem dar maior bem-estar individualmente, começando por pilares para viver bem: atividade física, nutrição saudável, cuidar do sono, manter-se hidratado(a), tomar sol e ter foco no bem-estar emocional e mental – com, por exemplo, meditação, mindfulness…

“Mais tempo cuidando da nossa saúde agora é menos tempo cuidando das nossas doenças no futuro”, ela lembra.

{Ah, a gente aqui na Alice te dá um curso inteiro gratuito de mindfulness, confere só!}

Algumas dicas para poder ajudar a preservar melhor sua saúde mental também no contexto do trabalho:

  • Procure acolhimento. Permita a você mesmo(a) falar das suas vulnerabilidades e das dificuldades pelas quais você possa estar passando
  • Tenha pausas e respeite-as como um momento sagrado. Descanse na hora do almoço. Tire o celular de perto, esqueça as mensagens do trabalho. Permita-se circular, estar em movimento, e, sempre que possível, pare de pensar em coisas a resolver. Sim, abrace a desaceleração!
  • Distanciamento. Proteja os momentos que não são dedicados ao trabalho. Vale manter uma rotina em que você comece o dia com calma e clareza. Tente não se expor ao estresse do trabalho quando estiver chegando a hora de dormir. Não misture as rotinas com invasões do trabalho em assuntos e dispositivos pessoais!
  • Maneje o tempo. A gente às vezes se sente tão pressionado com aquela ideia de que não está sendo produtivo o suficiente que se força a trabalhar mais. Foque em concentrar sua produtividade no momento certo e se afastar de interrupções {alô, celular!} quando precisar avançar em algo. 
  • No home office… As fronteiras são mais borradas naquele on e off do trabalho remoto. Cuidado com o excesso de trabalho “picotadinho”, que te toma muitas horas do dia. Vale manter em vista momentos de relaxamento e de distanciamento entre o que você faz no trabalho e na vida pessoal. Saia de casa um pouco também!
  • Conecte-se com o sentido de seu trabalho. Nem sempre você precisa ter paixão pelo que faz, mas, sim, satisfação. O que importa é definir aquilo que você espera do trabalho e desenvolver uma relação saudável com ele. “Não tem problema se um trabalho for para você só aquilo que te paga as contas”, diz Jess Huang.
  • Permita-se olhar para outras coisas. “Nossa mente é para ter ideias, não para guardar ideias”, relembra a Jess. Procure hobbies, projetos pessoais e coisas que te façam bem dentro ou fora do ambiente de trabalho.
  • Priorizar uma coisa de cada vez. Isso vale para vida inteira. A gente acaba tentando, mas não dá pra fazer malabarismo com tantas bolas ao mesmo tempo, né?

Dicas de saúde mental no trabalho que gestores e RH podem adotar

Se a gente já mostrou algumas dicas individuais de saúde mental no trabalho, tá na hora de relembrar que a principal responsabilidade por manter sua equipe mais “imune” a problemas de saúde mental passa pela chefia e pelo RH.

Um ambiente saudável de trabalho é o básico para mitigar problemas ligados ao estresse ocupacional, por exemplo. Por outro lado, mesmo em locais menos estressantes, as pessoas podem passar por problemas e sofrimentos. E elas precisam receber a compreensão e o acolhimento de colegas e da chefia.

Embora a maioria dos CEOs de empresas acredite que está aumentando satisfatoriamente seus esforços para garantir maior bem-estar, 76% dos(as) colaboradores(as) entrevistados pela Oracle afirmam que suas empresas precisam fazer mais para proteger a saúde mental de suas equipes. No Brasil, esse número está acima da média: 84%.

Algumas dicas de saúde mental no trabalho que gestores(as) e RH podem adotar:

Conversas, avaliações e questionários sobre saúde mental no trabalho 

Co-mu-ni-ca-ção! Entender o que não vai bem e o que poderia melhorar o bem-estar geral parece trivial, mas é muito importante. Promover questionários, avaliações e atividades coletivas para melhorias em saúde mental pode ser uma ferramenta eficaz para captar o que estressa a equipe ou que deixa a desejar. E é um bom espaço para a troca de ideias.

Ouça, acolha, valorize e ofereça descanso

Todo mundo se abala por algum problema pessoal de vez em quando, e toda chefia deveria entender isso. Com saúde mental é a mesma coisa. Abra-se para ouvir o que determinada pessoa está passando, acolha, converse sem julgar, ofereça um descanso/licença. E, como a Jess Huang lembra, destaque a importância e o valor da pessoa. E dê feedback sempre.

Dar exemplo na prática

Mesmo estando ciente da importância da saúde mental, faça por onde na prática. Garanta boas condições gerais de trabalho, com respeito a horários, equilíbrio entre vida pessoal e profissional e flexibilidade. Não acione o pessoal fora do expediente! E dê exemplo ao ser um modelo, diz Jess: “Respeite suas férias, não fique trabalhando fora de hora!” 

Programas de saúde mental, autoconhecimento e relaxamento

Se de forma geral já é legal promover ações de saúde física como atividades físicas, alimentação saudável e incentivos contra o sedentarismo, o mesmo vale para a saúde mental. Avalie oferecer programas de autoconhecimento, relaxamento, mindfulness e ações antiestresse.

Bem-estar financeiro e benefícios de saúde

A gente trabalha para viver, não o contrário. O que é mais recompensador na prática do que valorizar a equipe com salários compatíveis? Isso inclui salários e benefícios adequados. Na esteira dos programas de saúde mental, reiteramos: avalie a possibilidade de adotar uma gestão completa de saúde para seu time!

Ter mais cuidado com saúde mental é imprescindível para toda a equipe

Falar de saúde mental no trabalho envolve reconhecer que dá para melhorar e fazer mais em prol do bem-estar da equipe. Aliás, lembre-se de garantir rotineiramente condições boas para o desenvolvimento da saúde física e mental de cada pessoa na equipe. Isso não deve ser feito só com um anúncio aqui ou acolá: faça todo mundo se sentir acolhido(a) sempre que precisar.

E se as ações no ambiente de trabalho e bons benefícios de saúde já são importantíssimos, conte com a gente para tornar a sua equipe ainda mais saudável.

Como a sua gestora de saúde, a Alice também oferece a Jornada de Saúde Mental {disponível nos planos empresariais e nos individuais}.

A Jornada inclui encontros com profissionais especialistas, além de ações e conteúdos voltados para a informação sobre os sintomas de estresse, ansiedade e depressão, e também ferramentas para o seu autoconhecimento, como técnicas de inteligência emocional e mindfulness.

Para a gente aqui na Alice, ser um plano de saúde não é suficiente. Nós queremos cuidar da sua equipe por completo, com um cuidado que um plano convencional jamais poderia oferecer

  • Um Time de Saúde multidisciplinar, focado em cuidados primários e preventivos, que te acompanha em todas as fases, ajuda com saúde mental, preparação física e nutrição e te atende a qualquer queixa que você possa ter; 
  • Atendimento 24/7 {on e off-line!}, com equipes de prontidão para te atender no app Alice Agora, presencialmente ou na nossa rede credenciada; 
  • Hospitais, laboratórios e especialistas de referência, além da nossa própria Casa Alice;
  • Cuidados personalizados para cada pessoa membra da Alice, independente de qual o tipo de contrato.
  • Gestão completa do plano sem burocracia e com condições especiais para empresas.

“A nossa meta é sempre de tornar pessoas mais saudáveis”, conta o André Leite, Head de Vendas aqui na Alice, que deixa claro que as empresas parceiras podem estimular os(as) colaboradores(as) a usarem a Alice o quanto precisarem e quiserem. “Não é uma carteirinha para ser usada só no pronto-socorro.”

Vem conhecer o que a Alice faz por você e por sua empresa e marque uma conversa com a gente!