Queremos tornar o mundo mais saudável; para isso, focamos não só na doença, mas principalmente na saúde das pessoas. Isso significa que fazemos gestão de saúde de cada pessoa membra, todos os dias e não só quando algo dá errado.

Estamos falando da atenção primária feita pelo nosso Time de Saúde, ou seja, um acompanhamento constante e próximo que permite, quando for o caso, fazer um “diagnóstico precoce” {e melhor ainda evitar que futuros problemas de saúde aconteçam}.

O raciocínio é bem fácil de entender: quando uma condição de saúde é descoberta em seus estágios iniciais, o tratamento é mais simples, seguro e rápido. Isso, por sua vez, aumenta as chances de sucesso e as taxas de cura por meio de terapias mais simples e efetivas.

Mais papo, menos exames complexos

Agora a pergunta que realmente importa é: como é que se faz um diagnóstico precoce? A verdade? Ele depende muito menos de exames complexos e muito, muito mais, do olhar cuidadoso do seu Time de Saúde.

Imagine este caso. Numa teleconsulta de rotina {chamada aqui na Alice de Consulta de Conexão}, uma membra da Alice diz que está tendo muita dificuldade de emagrecer.

Durante a conversa que tem como objetivo falar da saúde dela como um todo, a enfermeira observa o rosto dela com muitas acnes e pelos e manchas escuras no pescoço. Algumas perguntas a mais, e a membra conta que desde a adolescência tem a menstruação desregulada e dificuldade para engravidar.

Os pelos, a acne, a obesidade, a irregularidade da menstruação e a dificuldade para engravidar são sintomas da síndrome do ovário policístico. As manchas no pescoço podem sinalizar resistência à insulina, uma das complicações da síndrome e que pode levar ao desenvolvimento de diabetes.

Depois da conversa de meia hora de consulta, e após a enfermeira discutir com a equipe médica avaliando todo o histórico de saúde da membra, o time tem muitos subsídios para acreditar que ela tem diabetes. Neste caso, o exame de glicemia seria feito apenas para comprovar.

“Na maioria das vezes, é uma boa conversa que acende o alerta em relação a uma doença. Não é uma ressonância ou uma tomografia”, explica Henry Porta, membro da direção do corpo médico da Alice.

O desafio do sistema de saúde, acrescenta Henry, é oferecer essa consulta humanizada aliada aos exames básicos preventivos, respeitando sempre a idade e as condições da pessoa.

Atenção primária: seu Time de Saúde sempre perto

Por isso, a importância da consulta humanizada {convenhamos, toda consulta deveria ser humanizada} e do acompanhamento constante de cada pessoa alinhado à realização de exames de rotina pedidos pelo Time de Saúde).

É isso que uma gestora de saúde faz: cuida da pessoa de forma integral, com o foco não apenas em tratar doenças. Nosso objetivo é acompanhar cada pessoa, antecipando possíveis problemas e promovendo qualidade de vida {como deve ser}.