Lembra quando a galera da escola jogava vôlei na aula de educação física? Essa memória tem um lugarzinho especial para o engenheiro de produção Kennedy Alves, membro da Alice.

Foi no ensino médio que ele começou a se reunir com seus melhores amigos para jogar vôlei. “Jogávamos na hora do intervalo, cabulávamos aula, jogávamos na hora da educação física. Nossos jogos eram sempre eventos”, lembra.

Um desses amigos ficou na vida de Kennedy. No meio da correria de vida adulta, há dois anos, ele recebeu o convite para voltar a se aventurar nas quadras. 

“Aí eu reuni 15 amigos em uma quadra na Liberdade, em São Paulo. A gente joga todos os sábados”, diz ele, que levou a sério a frase “do terceirão pra vida”. 

Aliás, para Kennedy, estar no meio da galera é uma das coisas mais gostosas do esporte. “O que eu mais gosto nesse esporte é a essência coletiva que ele carrega. Não importa se você é craque; você depende de mais outras cinco pessoas para jogar. Então, para além do físico, ele é bom para o meu psicológico e para a minha sociabilidade. É sem dúvida um dos melhores momentos da minha semana”, afirma.

Na lesão ou na quadra, um Time de Saúde para cuidar de tudo

Depois de tanto tempo parado, o físico já não era mais o mesmo, ainda mais para um esporte que demanda tanto do corpo. Por isso, em meio aos saques e bloqueios, Kennedy torceu o joelho.

“Não conseguia andar direito e achei que ali tinha acabado pra mim. Mas como um acaso do destino, eu tinha acabado de assinar a Alice”, conta.

Apesar de não ter surgido em câmera lenta ou em um cavalo branco como nos filmes românticos, a Alice veio no momento em que Kennedy mais precisava.

Depois de explicar ao Time de Saúde o que havia acontecido e todo seu histórico de dores na lombar, ele começou a ser cuidado de perto pela preparadora física Renata Antunes.

Renata já é velha conhecida entre algumas pessoas membras da Alice: ela é a responsável por conduzir os alongamentos para quem participa das comunidades “Tô em Movimento” e “Magenta Runners”. 

Além de ter compromisso quase diário, ela também ajuda a montar treinos incríveis para os membros que estão sob seus cuidados – e foi o que ela fez com Kennedy ao pensar em movimentos que fortalecem os músculos e protegem o joelho lesionado. 

“Ela até fez com que eu praticasse musculação, um grande feito, principalmente pra alguém que não gosta de puxar ferro como eu”, brinca.

Além da Renata, Kennedy também conheceu a fisioterapeuta Thalita Campregher, que deu mais uma força na sua recuperação.

“É literalmente um time de cuidado, que se importa de fato comigo e me proporcionou o retorno às quadras”, diz.

Para Kennedy, o principal impacto da Alice na sua vida — além da volta triunfal para o vôlei — está no fato de ele não precisar mais se preocupar com a sua saúde.

“Agora, basta uma mensagem no chat com meu Time de Saúde para eu ter certeza de que posso fazer qualquer coisa, é só ver com eles e receber o cuidado que eu preciso”, finaliza.