Nossa missão é tornar o mundo mais saudável. Para isso, acreditamos no cuidado da saúde feito todos os dias e não só quando a pessoa fica doente. Mas atenção: cuidar da saúde de forma preventiva, nem sempre significa fazer muitos exames e checkups. 

Por isso, resolvemos explicar, mais a fundo, para que servem realmente os exames: diagnosticar, prevenir ou preocupar?

Exames e a capacidade de diagnóstico

Por mais que o ditado diga “é melhor prevenir do que remediar”, na prática clí­nica não é bem assim. 

A verdade é que são poucos os exames disponíveis que têm a real capacidade de diagnosticar precocemente uma doença de alto impacto, e que seja tratável. Isso faz com que muitos exames sejam feitos desnecessariamente.

Claro que a realização de exames durante avaliações médicas é de extrema importância, e é parte fundamental do acompanhamento clí­nico. Mas a lógica de seu uso nem sempre é compreendida, seja por pacientes, ou até mesmo por profissionais de saúde. 

O que é um exame?

Mais do que um simples procedimento laboratorial ou radiológico, podemos classificar um exame como uma pergunta fechada para uma dúvida clí­nica. 

Como assim? Pense comigo: perguntas abertas são aquelas que podemos responder com liberdade, com opções muito mais abrangentes do que um sim ou um não. Um exemplo para isso seria a pergunta: “Como você se sente?”.

Por outro lado, perguntas fechadas são aquelas que conseguimos responder diretamente com um “sim” ou “não”, ou mesmo utilizando opções oferecidas. “Você sente dor ao urinar?” é uma pergunta fechada e “sua dor é do tipo pontada, facada ou queimação?” também.

É isso que o exame faz. Por exemplo, “é uma fratura do tornozelo?”. A resposta deve ser sim ou não.

A funcionalidade do exame

Os exames costumam ser aplicados por dois motivos principais: para investigar uma suspeita clí­nica ou para investigar preventivamente sinais de doença precoce. 

Isso porque quando a avaliação médica não é conclusiva sobre a origem de sintomas e sinais presentes em uma pessoa, o(a) médico(a) fica diante de uma incerteza clí­nica, porém com algumas hipóteses explicativas para o quadro identificado.

Os exames diminuem a incerteza e ajudam profissionais de saúde a se aproximarem de uma conclusão. Confirmando ou afastando suspeitas até um ní­vel de probabilidade suficiente para que se possa tomar uma decisão mais assertiva. 

Check Up: quando fazer?

Hoje em dia é muito comum que as pessoas procurem por consultas médicas com o único motivo de “fazer check-up”, resultando em pedidos médicos de uma bateria de exames

Porém, até hoje, não há evidências de que um exame clí­nico periódico (check-up) baseado no exame fí­sico e numa bateria de exames laboratoriais e radiológicos seja capaz de identificar as pessoas com maior risco de adoecimento. 

O check-up faz sentido se for para conhecer os hábitos, estilo de vida, fatores de risco e vulnerabilidades do paciente. Ou para acompanhar a recuperação de alguém que passou por um tratamento. Ainda assim, é preciso que estes exames sejam sempre seguidos de uma consulta para falar dos seus resultados. 

Os resultados dos exames

Falando em resultados, devemos lembrar que todo exame está sujeito a erros e acertos. Existem exames podem ter resultados verdadeiros e falsos, sejam eles positivos ou negativos. Quem nunca ouviu falar no falso negativo, por exemplo?

Por isso, só é recomendado se fazer exames quando for realmente preciso e sempre acompanhado de uma consulta médica para avaliar os resultados {nada de pesquisar sem orientação na internet!}. 

Além disso, exames desnecessários colocam em risco a saúde das pessoas não só porque levam a intervenções desnecessárias, mas também porque têm enorme impacto na nossa saúde mental, precisando ser seriamente avaliado. 

O Papel da Atenção Primária

Uma das alternativas mais eficazes para combater o excesso de exames é o fortalecimento da Atenção Primária à Saúde, privilegiando as abordagens integrais, longitudinais e centradas em cada pessoa. 

O cuidado constante com foco na saúde (e não só quando a pessoa fica doente), diminui a realização de exames redundantes e frequentes. É isso que uma gestora de saúde como Alice faz. 

No caso caso, a atenção primária é feita pelo nosso Time de Saúde, que garante um acompanhamento constante e próximo de cada pessoa membra, permitindo que uma condição de saúde seja descoberta em seus estágios iniciais. O que, por sua vez, aumenta as chances de sucesso e as taxas de cura por meio de terapias mais simples e efetivas.

Afinal, o que importa aqui na Alice é apenas um resultado: você mais saudável a cada dia. 

Leia também: Time de Saúde: Atenção Primária na Alice